Tipos de crises convulsivas:

Saibam identificar o tipo de crise convulsiva.

Quando falamos em crise convulsiva, convulsão ou ataque epilético, logo vem à nossa cabeça aquela assustadora imagem de um paciente se debatendo todo, babando, com os olhos revirados e com movimentos anárquicos dos membros. Na verdade, isto representa uma crise convulsiva generalizada, chamada de crise convulsiva tônico-clônica. É apenas um dos vários tipos de crise convulsiva existentes.

As crise convulsivas (crises epiléticas) são divididas em dois grupos: crise convulsiva parcial e crise convulsiva generalizada.

a) Crise convulsiva parcial

A crise epilética parcial é aquela que ocorre quando os impulsos elétricos anômalos ficam restritos a apenas uma região do cérebro.

É chamada de crise epilética parcial simples, aquela que ocorre sem alteração do nível de consciência do paciente. Os sintomas podem ser sutis e dependem da área cerebral afetada. Alguns sintomas que podem ocorrer na crise epilética parcial simples são:

– Movimentos involuntários de parte do corpo.
– Alterações sensoriais como do paladar, audição, visão ou olfato.
– Alucinações.
– Alterações na fala.
– Vertigens.
– Sensação de estar fora do corpo.

Muitas vezes os sintomas destas crises parciais simples são tão sutis que o diagnóstico é difícil de ser pensado, até mesmo para o paciente. Às vezes são confundidos com doenças psiquiátricas.

Nas crises epiléticas parciais complexas, o quadro clínico é mais rico. Ao contrário das crises parciais simples onde o paciente tem plena noção do que está acontecendo, nas crises complexas, o paciente não tem a menor consciência do que está fazendo. Em geral, uma crise parcial complexa é precedida por uma crise parcial simples, recebendo esta o nome de aura. É uma espécie de aviso que a convulsão está chegando.

Na crise convulsiva parcial complexa o paciente normalmente apresenta comportamentos e movimentos repetidos tipo beijos, mastigações, andar em circulo, olhar fixo, ficar puxando a roupa, virar a cabeça para um lado e para o outro, esfregar as mãos etc… Tudo de modo inconsciente. Às vezes, o paciente é capaz de obedecer ordens e consegue falar, porém, apresenta um discurso incoerente.

A crise convulsiva parcial complexa costuma durar em média 1 minuto. Quando a crise termina, o paciente retoma a consciência mas costuma estar muito confuso, sem saber o que aconteceu. Geralmente, a última coisa que ele lembra é da crise parcial simples (aura) que antecedeu a crise complexa.

As crises parciais podem anteceder uma crise epilética generalizada. Na verdade, o paciente pode começar com uma crise parcial simples, evoluir para uma crise parcial complexa e terminar com uma crise generalizada.

b) Crise convulsiva generalizada

Na crise convulsiva generalizada, os dois hemisférios do cérebro são afetados.

Uma das manifestações possíveis da crise epilética generalizada é a crise de ausência, também chamado de pequeno mal. Na crise de ausência o paciente perde contato com o mundo externo e fica parado com o olhar fixo. É possível haver alguns automatismos como picar de olhos repetidamente, como ocorre na crise parcial complexa. A diferença é que a crise de ausência é mais curta, dura cerca de 20 segundos, pode ocorrer dezenas de vezes ao longo do dia e o paciente não apresenta aura, nem está confuso ao final da crise. Às vezes, o paciente retoma a atividade que estava fazendo como se nada tivesse acontecido.

Em pessoas com epilepsia, flashes luminosos repetidos ou hiperventilação (respirar rapidamente durante algum período de tempo) podem desencadear crises generalizadas do tipo ausência. Este tipo de crise é mais comum na infância, podendo desaparecer após a adolescência.

O tipo mais conhecido de crise convulsiva, chamado também de ataque epilético ou grande mal, é a crise convulsiva tônico-clônica. É o quadro mais assustador. O paciente subitamente apresenta uma rigidez dos músculos e imediatamente cai inconsciente. Segue-se, então, movimentos rítmicos e rápidos dos membros. O paciente perde controle dos esfíncteres, podendo se urinar ou evacuar. É comum salivar e morder a língua durante a crise, o que pode provocar um espumamento avermelhado.

A crises tônico-clônicas duram entre 1 a 3 minutos. Ao final, o paciente apresenta cansaço extremo, sonolência, confusão e amnésia, não lembrando do que ocorreu.

Outro tipo de crise epilética generalizada é a crise convulsiva atônica. Se manifesta como uma súbita perda do tônus muscular, fazendo com que a pessoa caia. É muito curta, dura menos de 15 segundos, porém, devido às quedas, costuma causar traumatismo sérios.

c) Status epilepticus

A maioria das crises convulsivas são auto-limitadas e não precisam de tratamento médico imediato. Chamamos de status epilepticus quando a convulsão não cede após vários minutos ou quando o paciente apresenta quadros repetidos de crise sem que tenha havido tempo dele recuperar a consciência entre os episódios. Geralmente, crises convulsivas que duram mais de 5 minutos são consideradas emergências, pois colocam o cérebro em risco, e devem ser tratadas com drogas para abortá-las.

d) Convulsão febril

A convulsão febril ocorre normalmente em crianças entre seis meses e seis anos de idade (pico entre 1 ano e 1 ano e meio) que apresentam quadro febril acima de 38ºC. Apesar de ser um quadro assustador para os pais, é benigno e não causa lesão cerebrais na criança. É comum e ocorre em até 5% das crianças.

Se a criança só tem convulsão quando está febril, ela não é considerada como portadora de epilepsia.

O que desencadeia a convulsão é a febre, independente da sua causa. A crise pode ser parcial (mais comum) ou complexa, inclusive com crises tônico-clônicas. A convulsão febril costuma ser mais demorada do que as crises nas epilepsias. Podem durar até 15 minutos. Não se assuste se a criança apresentar fraqueza em um dos membros logo após o fim das crises. É temporário.

Não adianta dar banho em água fria ou encher a criança de antitérmicos. Isso não impede o aparecimento das crises. também não é necessário usar drogas antiepiléticas. O quadro é benigno e os efeitos colaterais não justificam o seu uso.

A convulsão febril não traz maiores complicações e desaparece com a idade. O ideal é sempre levar a criança ao pediatra após a crise para que ele possa investigar o motivo da febre e confirmar que se trata apenas de convulsão febril, e não de epilepsia.

rerferencia bibliográfica: www.mdsaude.com

16 Comment

  1. Marcia leão says: Responder

    Muito boa essa matéria Gustavo Leão,está muito bem explicado nos seus detalhes minunciosos! Parabéns ❤️

  2. Gilda Seabra says: Responder

    Gostaria de saber da experiência de quem tem crise de ausência. Tenho 71 anos e começou quando fiz 60. Tenho de 3 a 5 crises por semana, sinto a aura percebendo quando vou apagar. Tomo lamotrigina, frisium e escitalopran…mas não dao conta. Realmente é de difícil controle. Alguém tem assim, que possa trocar ideias?

    1. Gustavo Leão says: Responder

      CADA CASO É UM CASO, MAS PODEMOS, SERA UM PRAZER CONHECER UM POUCO MAIS DO SEU QUADRO CLINICO. ENTRE EM CONTATO NO MEU EMAIL QUE ESTA NO SITE.

      GUSTAVO LEÃO

  3. Vanessa Lopes says: Responder

    Parabéns pela matéria. Tenho uma epilepsia parcial complexa de difícil controle desde os meus 15 anos e hoje com 35 parece ser cada vez mais difícil de serem controladas. Já fiz uso de diversas medicações, mas o que me ajuda um pouco é o controle alimentar através da dieta cetogenica. Alguém já fez esse teste?

    1. Gustavo Leão says: Responder

      Fico feliz que tenha gostado. Pode ter certeza que este nosso distúrbio, será tratado com mais carinho e atenção.

      Minha neurologista comentou, mas nunca fiz uso, por ter que cortar muito carboidrato, pois preciso para os exercícios e divulgar esta causa. Conheço pouca gente que faz uso, mas por outros motivos.

      Um forte abraço e lembre-se…Desistir não é uma opção!

  4. Oi me chamo Marli eu nunca tive nada mais com 28 anos eu tive uma e fiquei apagada por umas três horas e meia,a segunda eu não sei dizer3terceira eu tive e acordei n hospital e fiquei mais 2:30desacorada eu gostaria d saber se isso é normal se e convulsao mesmo q eu tenho,alguém pode me ajudar?

    1. Gustavo Leão says: Responder

      OLA MARLI, VOCE PRECISA ENTRAR EM CONTATO COM UMA NEUROLOGISTA PARA AVALIAR SEU QUADRO E FAZER UNS EXAMES, NAO É NORMAL ACONTECER AO ACASO, PODE SER FRUTO DE DIVERSOS FATORES.

  5. Andréa Vieira dos Santos says: Responder

    Parabéns e gratidão Gustavo Leão!

    1. Gustavo Leão says: Responder

      obrigado. Estamos juntos nesta causa tão relevante.
      Forte ab, Gustavo Leão

    2. Gustavo Leão says: Responder

      obrigado. ESTAMOS JUNTOS NESTA CAUSA!

  6. Its like you read my mind! You appear to know a lot about this, like
    you wrote the book in it or something. I think that you could do with a few pics to drive the message home a little bit, but other than that, this is magnificent blog.
    A fantastic read. I’ll definitely be back.

    1. Gustavo Leão says: Responder

      THANKS! IM SO GLAD. I HAVE A LOT OF PICTURES., DUE, SOON.. WILL BE PUBLISHE

  7. I loved as much as you’ll receive carried out right here. The sketch is tasteful, your authored material stylish.
    nonetheless, you command get bought an nervousness over that you wish be
    delivering the following. unwell unquestionably come further formerly again since exactly the same nearly very often inside case you shield
    this hike.

    1. Gustavo Leão says: Responder

      thanks mate!

  8. I want to to thank you for this very good read!!
    I certainly loved every bit of it. I have you saved as
    a favorite to look at new things you post…

  9. weblink How do you create a blog or a blog webpage?

Deixe uma resposta