Matéria Med Puc Rio

site: http://www.empg.puc-rio.br/arquivos/2003

A escola de Pós graduação da Med Puc Rio, Clara Pires, fez uma matéria sobre o projeto Falando de Epilepsia e o fundador, Gustavo Leão, vale a pena conferir..

Epilepsia e conscientização
Publicado em 29 de setembro de 2016 por Milene Couras

Clara Pires

A epilepsia é uma doença que atinge cerca de 65 milhões de pessoas no mundo todo. Estima-se que uma a cada cem possui a condição. Por ter a doença desde criança, o carioca Gustavo Leão criou o projeto “Falando de Epilepsia”, que busca desmistificar a doença no Brasil através do blog de mesmo nome, das redes sociais e de eventos informativos.

Embora ainda esteja mais centrado no Rio de Janeiro, com palestras em escolas, comunidades e instituições, a intenção é estender os eventos para universidades e mobilizar a sociedade de modo a conseguir divulgar a proposta em um grande evento para o dia mundial da epilepsia.

­- Nosso objetivo é alertar a população de todas as classes sociais sobre os procedimentos básicos, criar eventos, caminhadas e fazer uma campanha de conscientização em massa para sairmos do ostracismo.

Quando alguém tem um ataque epiléptico, é importante tentar levar a pessoa para um local mais calmo, colocando um travesseiro ou semelhante sob sua cabeça, tirando acessórios e afrouxando as roupas para maior conforto. Caso a crise dure menos do que cinco minutos, posicionar o indivíduo de lado quando ele parar de se movimentar. Se após o final do movimento, a pessoa não recuperar a consciência, é preciso chamar socorro médico imediatamente, informando se a pessoa perdeu a consciência e quanto tempo está durando ou durou o ataque. E embora seja muito comum a informação sobre segurar a língua da pessoa, isso é incorreto e nada deve ser colocado na boca dela.

Segundo Leão, ainda são muitos os estigmas que recaem sobre quem tem a condição, como: exclusão social, depressão, falta de oportunidade para conseguir emprego, falta de amparo social e governamental, etc. São situações que afetam a autoestima e provocam uma mudança na forma com que o indivíduo e as famílias convivem com o distúrbio. Mas, embora eles sejam mais um obstáculo a ser vencido, é possível que essas pessoas também tenham uma vida normal. Por isso, o projeto criou como slogan a frase “Epilepsia: juntos somos mais fortes”.

Com a medicação adequada, mais da metade das pessoas conseguem controlar as crises epilépticas, mas apenas cerca de 15% consegue se curar totalmente. Isso acontece mais facilmente com crianças que ao crescerem param de ter crises ou com aqueles que passam por cirurgia. No entanto, não é em todos os casos que a cirurgia é indicada.

De acordo com Gustavo Leão, cada caso é particular e por isso cada um deve respeitar as próprias limitações e aprender a escutar os sinais do corpo, sempre com o acompanhamento de um neurologista. O que funciona para um pode não funcionar para outro, mas mudança de hábitos, reeducação alimentar, dietas cetogênicas, simples caminhadas diárias, evitar se estressar e construir uma vida regrada são as melhores opções para melhorar o estilo e a qualidade de vida e conseguir lidar com a condição.

Os próximos passos do “Falando de Epilepsia” vão ser em outubro, com um evento de futebol no complexo da Rocinha e a participação de corredores com a frase “Epilepsia, eu corro por esta causa!”, na meia maratona do Rio de Janeiro.

2 Comment

  1. Vamos divulgar para que essa matéria chegue como informação super necessária a toda população! E vamos apoiar o projeto “Epilepsia, eu corro por esta causa!” SEMPRE!!
    beijos
    Vou repostar nas minhas redes sociais

  2. Really enjoyed this article post. Will read on

Deixe uma resposta para fanny Cancelar resposta